FANDOM



"Injustiça: Deuses Entre Nós - Parte Dois": {{#noif:Um Superman de luto embala o corpo sem vida de Lois Lane em seus braços enquanto se ajoelha nos destroços de Metrópolis. Na prisão de Gotham, Batman exige respostas do Coringa por ir tão longe para tirar tudo do Superman. O Coringa responde que


Quote1 Estou pedindo um cessar-fogos "imediato e mundial". Todas as hostilidades vão parar imediatamente -- ou eu vou impedi-los. É o fim. Quote2
-- Superman



Aparição em "Injustiça: Deuses Entre Nós - Parte Dois"

Personagens Principais:

Personagens Secundários:

Vilões:

Outros Personagens:

Locais:

Itens:

Veículos:

Sinopse para "Injustiça: Deuses Entre Nós - Parte Dois"

Um Superman de luto embala o corpo sem vida de Lois Lane em seus braços enquanto se ajoelha nos destroços de Metrópolis. Na prisão de Gotham, Batman exige respostas do Coringa por ir tão longe para tirar tudo do Superman. O Coringa responde que ele sempre perde para o Batman e tomou um "jogo" diferente tendo o Superman em vez. Enquanto isso, Flash e Lanterna Verde se tornam úteis para evacuar os cidadãos de Metrópolis que foram afetados pela explosão nuclear.

A Mulher-Maravilha tenta confortar o Superman, assegurando-lhe que é o Coringa quem é o responsável pela morte de Lois. Mas o Superman não pode ser consolado. Ele pede a Mulher-Maravilha para segurar o corpo de Lois e voa, logo no meio do trajeto do vôo ele é parado pelo Lanterna Verde, que o aconselha a não ir ver o Coringa, mas que, infelizmente, não pode parar o Homem de Aço.

O interrogatório do Batman no Coringa continua. O Coringa está especulando sobre o efeito que a perda de "tudo" terá sobre o Superman, assim como o próprio Superman esmaga a parede. Ele empurra o Batman para o lado e agarra o Coringa antes de empalá-lo no peito com o braço inteiro. O Coringa morre com um sorriso no rosto enquanto Batman olha horrorizado.

A Alrequina, depois de ter sido levada em cativeiro pelas autoridades, está usando suas algemas para estrangular sua escolta policial no banco de trás de um carro de patrulha. O parceiro do policial tenta intervir, mas Arle atira nele - ela está de luto pela perda do Coringa, mas não está prestes a desistir. Ela dirige para uma casa segura e, assim como ela mudou seu traje, o Arqueiro Verde chega.

Arle lança uma bomba do Coringa que pega o Arqueiro e se prepara para executá-lo com uma arma, mas o Arqueiro Verde consegue disparar uma flecha no cano da arma, fazendo com que a arma se incendiasse. Arle está tão impressionada que ela insiste que o Arqueiro repete o desempenho. A flecha rapidamente a captura com uma flecha especial de rede.

O Arqueiro Verde arrasta Arle para o veículo. Arle pergunta então se ela está sendo levada para o Superman. Pelo que ela ouviu, o Superman quase certamente irá matá-la se tiver a chance. O Arqueiro diz acreditar que matar às vezes é necessário, mas não acredita em "execuções". Arle irrita o Arqueiro durante todo o percurso, levando-o a enganá-la na inconsciência, dando-lhe uma flecha especial que libera gás de nocaute em seu rosto.

Quando Arle chega, ela é algemada em um poste na Flecha-Caverna, que é revestida de chumbo para que o Superman não possa ver. Arle relembra sobre o Coringa que costumava derrubá-la e algema-la "Toda Quinta-Feira", e continua a zombar do nome do esconderijo do Arqueiro Verde, sugerindo que ele chama de "A Aljava" em seu lugar. Arqueiro Verde admite que é um nome melhor. Como o Arqueiro Verde se prepara para sair, ele diz a ela para não se incomodar em usar uma mão falsa para escapar, que em nenhum lugar é mais seguro. Ela diz que não tem uma mão falsa: essa foi sempre a piada do Coringa. Ela pergunta se o Arqueiro já amou alguém que ele sabia que era errado para ele. Ele diz que ele tem.

O Arqueiro virando novamente para sair, Arle pede um favor - que o Arqueiro dê a ela uma "risada maníaca". Ele enfaticamente se recusa, mas, voltando a pena para olhar para ela, ele vê que ela fez algo com o rosto e explode em gargalhadas ao vê-la em um bigode falso.

Com a barba não raspada e com o sangue do Coringa ainda no braço, Superman senta-se na Fortaleza da Solidão enquanto incontáveis reportagens e estações de televisão reproduzem detalhes da bomba nuclear que foi detonada em Metrópolis, junto com um clipe do Comissário Gordon sendo questionado sobre o envolvimento do Superman na morte do Coringa. Quando um repórter de notícias menciona o apagão de comunicação de Bialya, para impedir que informações e notícias saiam do país, Superman manda todos os televisores para fora quando ele sai da Fortaleza da Solidão.

Na cidade de Gared, Bialya, uma bomba está prestes a atingir uma criança pequena antes que o Superman protejesse a criança. Ele ajuda a criança a sair, que tenta agradecer-lhe em árabe, apesar do Superman não entender. Ele leva a criança de volta para sua mãe, que agradece a ele tanto em inglês quanto em árabe, assim como muitas outras pessoas que o veem. Superman pede desculpas por não ter estado lá antes, e diz "eu vou parar com isso". Superman voa para a construção capital de Bialya, atravessa uma onda de balas e guardas que tentam enfraquecê-lo fisicamente, agarra o presidente e voa para fora do prédio, dizendo que "quer mostrar algo à [ele]".

Eles pousam em Gared, e então o Superman rasga a camisa do Presidente diante das pessoas que ele "deveria proteger". A Mulher-Maravilha aparece, que pergunta ao Superman se ele deseja falar com o mundo. Ele diz que sim, mas Diana diz para esperar até que Superman se limpe. Ela também diz que vai convocar uma conferência de imprensa no prédio das Nações Unidas.

Uma vez que o Superman raspou a barba e limpou o sangue no seu braço, ele voa com o Presidente para o prédio das Nações Unidas, onde ele quase imediatamente revela sua identidade terrestre, Clark Kent, ao mundo. Superman discute como um repórter do Planeta Diário, ele gastou muito tempo escrevendo sobre o mal do mundo; como Superman, ele passou muito tempo reagindo contra o mal que já havia acontecido. Superman promete nunca deixar o que aconteceu com Metrópolis novamente. Ele aponta para o presidente da Bialya, que "virou suas armas contra seu próprio povo". Superman diz que ninguém tem o direito de tirar vidas inocentes, não importa quem são ou qual é a causa. Superman pede um cessar-fogo mundial, dizendo que ele vai pessoalmente acabar com os conflitos que não precisam de seu alerta.



Notas

  • Sem Notas Especiais.

Curiosidades

  • Sem Curiosidades.



Veja Também


Leitura Recomendada

  • Nenhuma.


Links e Referências

  • Sem links externos.
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.